quarta-feira, outubro 11, 2006

boneco chuchu foge da raia quando o assunto é o PCC




"$inhá mídia:

Venho por meio deste pedir-lhe, encarecidamente, que continue com este seu trabalho de tentar transformar chuChucky num misto de santo e herói, contrariando todas evidências em contrário, como, por um único exemplo, está escancarado num vídeo produzido por uma equipe de um programa australiano de tevê (acima) que, com duas ou três perguntas, conseguiu despertar o boneco monstro que o médico e você, $inhá, fazem questão de esconder, mas que às vezes, como no debate de domingo, vem à tona.

Graças ao seu papel, $inhá mídia, às suas tramóias e, acima de tudo, à inteligência do povo brasileiro que vive fora das classes média, média alta e alta, as últimas pesquisas indicam o que as gentes pensam não apenas sobre o $eu candidato, mas também sobre você.

Gratíssimo"
(texto publicado no blog AntiGOLPE)

6 comentários:

Anônimo disse...

o lula fuigu de várias perguntas..esquecerão?

Azarão disse...

Excelente blog, moça! Deixei marcado pra ver as atualizações sempre!!!!!

Ubiratan Rosa Passos disse...

Anônimo, há perguntas que não merecem respostas, de idiotas que são.

Só Curioso disse...

De onde veio o dinheiro???

O dinheiro veio andando... disse...

O dinheiro que anda


Do colunista Clóvis Rossi na Folha de S.Paulo, hoje:



"Não foi à toa que Luiz Inácio Lula da Silva ameaçou abandonar o debate de domingo na Band, segundo o mediador, Ricardo Boechat. A questão do dinheiro para a compra do dossiê contra tucanos é um tormento permanente para o presidente. E só aumenta à medida que o pessoal fala. Agora, Gedimar Passos, um dos detidos com R$ 1,7 milhão, confirma que foi contratado pelo PT para "análise e perícia de documentos".


Leia-se: preparar eventuais armações na eleição. Mas diz que a operação dossiê não envolveria dinheiro. Não obstante, apareceu a pilha toda no hotel em que estava e ele a recolheu integralmente, sob doce constrangimento, suponho. Antes, Hamilton Lacerda, homem de confiança de Aloizio Mercadante, contou que de fato aparecera com uma pasta no hotel, mas que ela não continha dinheiro e, sim, "material de campanha".


O "material de campanha" nunca foi encontrado. O dinheiro, sim, todinho, nota por nota. Falta agora surgir alguém para dizer que o dinheiro caminhou sozinho até o hotel onde foi apreendido, coisa que "nunca havia ocorrido antes neste país", como tantíssimas outras coisas que só o governo Lula acha que produziu.


De quebra, surgem indicações da CPI e da Polícia Federal de que o dinheiro poderia ter saído de bingos, casas lotéricas ou do jogo do bicho -ou do conjunto da obra. Se confirmados os indícios, fecha-se o círculo dos escândalos na gestão do lulo-petismo: o primeiro grande foi o caso Waldomiro Diniz, flagrado justamente quando tentava praticar extorsão contra Carlinhos Cachoeira, empresário (vá lá o termo) do ramo de jogos. Diniz era um dos operadores da Casa Civil no tempo em que José Dirceu a chefiava.


Não é, pois, um escândalo isolado do outro, mas "serial scandals", um encadeado no outro.

Ricardo disse...

Que o Clóvis Rossi está gagá, todos sabemos, mas esqueceu de dizer que o Waldomiro extorquiu o Cachoeira antes do governo Lula, quando era diretor da Loterj. E assim segue confundindo o seus cada dia mais escassos leitores. Os comentaristas acima que perguntam da grana podiam remeter a pergunta ao delegado que cuida do caso. E dizer pra gente o que acharam do Chuchu fujão fazendo MERDA diante da imprensa internacional. Já pensou o anestesista na cadeira da presidência, mandando invadir a Bolívia?