segunda-feira, fevereiro 12, 2007

A segunda morte de João

Passei a semana passada muito incomodado pelo destaque exagerado, pela insistência da Rede Globo em explorar todos os mais sórdidos ângulos da tragédia acontecida com aquele pobre menino de 6 anos no Rio de Janeiro. Era evidente que o desejo da emissora - se ela pudesse - seria mostrar o que sobrou do corpo em frangalhos do garoto, tal foi o cuidado para recuperar em minúcias todo o incidente, e repetir a mesma informação trocentas vezes. Esse incômodo me remoeu o final de semana inteiro, e fez parte de um diálogo com minha esposa aqui em casa. Temos um filho de 11 anos, e nem se desligássemos a TV poderíamos poupá-lo dos "detalhes sórdidos". Fica a impressão de que o Rio piorou, fica a impressão que vivemos uma escalada de violência. Qual nada! Vivemos apenas a decadência do noticiário e a sanha absurda da mídia pra atrair a nossa atenção, a todo custo. Ainda bem que hoje amanhecemos com mais um texto iluminado do Luis Nassif. Ele, mais uma vez, fala o que eu queria ter dito, se eu fosse bom como ele.

Por Luis Nassif

O problema dos grandes crimes que chamam a atenção da opinião pública é a exploração rasteira que se sucede a eles. Cria-se um movimento catártico que vende jornal , mas não aponta saídas; expõe as vísceras, mas não as causas; mostra o problema e não discute a solução.

Nessa cegueira ampla que o show exige, acaba toda a catarse confluindo para soluções simplistas e/ou falsas, como a questão da maioridade penal, um pequeno detalhe dentro de uma engrenagem muito mais ampla e letal.

A família é envolvida por esse show indecente, na vã esperança de que o sacrifício do filho não será em vão. Será sim. O único resultado palpável será aumentar a venda de jornais e a audiência das televisões. E permitir ao veículo se aproximar, se mostrar solidário a todos os telespectadores e leitores, vítimas potenciais do crime, ajudando a estimular sentimentos baixos de vingança, não a reflexão.

Tem-se um quadro amplo de criminalidade, com várias etapas entre a iniciação e a profissionalização do criminoso. Começa pelo ambiente em que a pessoa vive e na falta de oportunidades de uma vida dentro da economia formal.

O ambiente é o entorno, com a facilidade com que crianças são abordadas por traficantes e criminosos em geral. Passa por esse blefe inventado por especialistas como André Urani de que houve melhora na renda familiar depois que as mães tiveram que sair de casa para complementar a renda insuficiente do pai, sem computar os efeitos dessa ausência sobre a estrutura familiar. Some-se a falta de valores, típico de uma sociedade fragmentada, sem projeto de nação, sem projeto de solidariedade, onde até spams abjetos – como o tal “Elite Privilegiada”, falsamente atribuída a mim – têm ampla aceitação junto a setores basbaques da opinião pública.

O entorno se completa com as condições das escolas. E aí é falta de gestão em todo seu espectro. É um quadro dantesco, mais ainda no Rio de Janeiro, nas favelas dominadas pelas milícias e pelo tráfico. Some-se a internacionalização do tráfico e do crime e se terá o mapa do inferno.

O entorno é isso. Já o futuro é cinza, e aí o motivo é falta de crescimento na veia.

Por outro lado, a falta de gestão e a politização da máquina pública levaram a uma corrupção desenfreada que pega parte das forças policiais em todo país. Pelas informações, de forma muito mais ampla no Rio de Janeiro. O crime se profissionaliza e tem um exército de mão de obra reserva quase infinito.

Aí essas campanhas abjetas simplificam tudo. O cidadão, encurralado por todo esse quadro complexo e, aparentemente, insolúvel, finalmente “identifica” o inimigo, aqueles ladrões de carro, que passam a ter cara, identidade e cor. Trocam toda a reflexão necessária sobre como enfrentar esse quadro dantesco, pelos sentimentos que vêm das partes baixas, das entranhas embrutecidas pelo show diário de violência que se vê nas ruas e nas TVs.

E, aí, é apenas aguardar a próxima tragédia para o menino João poder descansar em paz, enquanto o show continua.

No meio desse insensatez, a faixa solitária esticada no Maracanã é um respingo de bom senso: "De olho por olho, a cidade ficará cega".

2 comentários:

enquanto dá disse...

Eu gostaria de solicitar que as letrinhas fossem mais escuras no post. Eu passei o link do blog pros meus chefes e eles também falaram disso. Assim, só uma sugestão, amigo.

clarice disse...

sugestão aceita, amiga! :)
volte e contribua sempre!