segunda-feira, abril 02, 2007

Crise aérea: a receita para não ler a mídia conservadora

A melhor maneira de evitar a mídia conservadora (e golpista) do Brasil é ler outra coisa. Veja só:

Manchete do Globo (e sua renovada fúria contra o Governo, especialmente depois que Franklin Martins se tornou ministro): “Crise pós motim deixa controle aéreo sem chefia”.

Ué, mas não está decidido que a Aeronáutica não manda mais, depois da desmilitarização?

E que os controladores é que mandam?

Manchete da Folha: “FAB abandona controle do tráfego aéreo”.

Trata-se, como se vê, de incitar a crise militar e – como na queda de Jango – acelerar a queda de Lula.

Se você (como eu) é obrigado a ler a mídia conservadora (e golpista), o único antídoto é ler a mídia estrangeira.

Recomendo nessa manhã de segunda feira, às vésperas da queda do Presidente Lula, dois textos em língua espanhola:

O primeiro, no jornal argentino Clarín:

REALISMO
Paula Lugones
plugones@clarin.com


Lula enfureció a las Fuerzas Armadas al embestir contra varios pilares de la vida militar. Rompió el tabú de la "disciplina y jerarquía" y prefirió negociar con los controladores en lugar de llevarlos a la cárcel, como dicta el reglamento de los uniformados. En un puro ejercicio de realismo político, el presidente comprendió que el diálogo era la única salida: la Aeronáutica no tenía hombres entrenados para reemplazar a los controladores, si iban presos. Así, si acataba el manual militar, el caos iba a ser aún mayor. La crisis en los aeropuertos ya alcanzaba una dimensión incontrolable, con impacto en el turismo, en los negocios y en el humor de los brasileños. Mal que les pese a las Fuerzas Armadas, que manejaron con ineficiencia el sector, las opciones eran pocas.

O segundo, no jornal espanhol El País, de título “Lula ganha uma batalha no caos aéreo”:
Clique aqui para ler.

O Clarín e o El País não podem ser considerados jornal esquerdista, trabalhista ou coisa parecida.

Por Paulo Henrique Amorim, do Conversa Afiada

Um comentário:

Crise no setor aéreo brasileiro disse...

É importante ressaltar a interferência política antes do início da crise. Em 24 de setembro de 2006 ocorreu um churrasco em Brasília organizado pelo deputado federal Alberto Fraga PFL-DF e os convidados foram os controladores de vôo. A reunião teria ocorrido com a intenção de angariar votos para a eleição do referido deputado. Foram feitas promessas de "apoio logístico para os controladores em suas reivindicações salariais". Houve a revelação de que um "grupo internacional estaria interessado na privatização do sistema de controle aéreo brasileiro. Só privatizando, explicou o deputado, seria possível aumentar os salários." (Revista Isto É, de 29 de novembro de 2006 http://www.terra.com.br/istoe/1936/1936_brasil_confidencial.htm ). Cabe também ressaltar que o acidente com o avião da GOL (vôo 1907) ocorreu no dia 29 de setembro de 2006, ou seja, 5 dias após a referida reunião.